Padaria artesanal Santiago, a nova queridinha da Pompéia

Redes sociais, como eu gosto desse vício! No fim de semana, a Ligia Helena, uma amiga que manda muito bem nos pães artesanais (insta dela -> @ligia.helena), me recomendou uma padaria nova que acabou de abrir nas redondezas da sua casa, no bairro Pompéia, em São Paulo. Por coincidência, eu estava do lado, não mais que quatro quadras, e resolvi conhecer. Que grata e deliciosa surpresa a padaria artesanal Santiago. Me apaixonei pelo ambiente e atendimento – além dos funcionários darem sugestões do que acabou de sair, se preocupam em saber o seu cardápio e gostos para fazer a melhor combinação.

Na fornada da Ligia, bolo de laranja e pão de azeitonas estavam à venda, já na minha, as delícias ficaram por conta do pão de nozes (R$ 20 filão), dos muffins de chocolate com generosas gotas dentro (R$ 10) e dos palmieres (R$ 6), todos ainda quentinhos.

Como fiz a besteira de avisar lá em casa sobre a minha parada, fui obrigado a comprar tudo para viagem. Porém, a padaria artesanal Santiago tem um café super charmoso para comer por lá. Além dos cafés, sucos e kombuchas, opções para compartilhar, como a bruschetta do dia + taça de champanhe, vinho ou cerveja!

Dá uma olhada nas fotos que fiz por lá:

SERVIÇO:

Padaria artesanal Santiago
Endereço: rua Tavares Bastos, 750
Horários: terça à sábado, das 7h30 às 20h / domingo, das 8h às 16h

Veja também: Garfo, delivery de comida caseira em São Paulo

E mais: O pudim de leite aromatizado com baunilha do restaurante Serafina

Anúncios

Garfo, o delivery do chef Leo Botto

Momento desabafo: Tenho um grande problema chamado restaurante por quilo. Nada contra ele e a comida, conheço vários bem gostosos, como o Manai (que tem na Berrini, na Leopoldina e na rua Augusta) e o Super Natural (que já postei aqui). O que me desespera são as pessoas na fila conversando em cima dos pratos, se debruçando sobre as travessas… se espirar, saiu correndo rs!  Quando vou, sinto uma agonia de pensar que já se passaram muitas e muitas pessoas (e bactérias) por alí (pura neurose, eu sei). E você deve estar se perguntando o por que do desabafo, certo? Foi só para justificar a minha nova paixão pelo chef Leo Botto, ex-Chez Oscar, que lançou recentemente o delivery Garfo (tem site, app iPhone e Androidpara pessoas como eu! rs!

Me segue no Insta neste link que tô sempre postando novidades! 

Sempre gostei da comida do Leo, já o seguia nas redes sociais e quando recebi o release da assessoria de imprensa (Tici, te amo também) contando a novidade, logo me animei. O Garfo segue o sistema já utilizado por outros apps de um cardápio enxuto, a preços medianos (R$ 34 as saladas e R$ 36 os pratos). Os pratos são bem servidos, por algumas vezes eu dividi. São, normalmente, quatro opções por dia (uma salada e dois ou três pratos quentes – quase sempre um vegetariano), e alguns fixos, como a batata rústica com páprica e sour cream, e o trio (divino) de guacamole, homus e coalhada temperada. Já perdi as contas de quantas vezes pedi, e no meu ranking dos favoritos estão: Arroz biro-biro com bifinho na chapa; Picadinho de filé mignon e Frango estilo Pequim.

Ainda tenho muitos outros para provar, meu próximo será o risoto de abóbora com cebolinha grelhada e emulsão de queijo (ansioso para entrar no cardápio), mas não me aguentei e já quis postar a dica por aqui. A entrega é rápida, não costuma passa de 40 minutos e vem de bike (adoro essa parte). Por enquanto, o Garfo atende apenas as região de Pinheiros, Vila Madalena e um pedacinho dos Jardins (até a rua Augusta). Ah, e já ia me esquecendo, tem bebidas, como refrigerante, chá verde orgânico e kombucha.

Tabule de quinoa com grão de bico, melão grelhado e hortelã
Arroz biro-biro com bifinho e crocante de mandioca
Frango estilo pequim com espaguete de legumes e arroz
Peito de frango grelhado com caponata de legumes e batata doce assada com coalhada
Feijoada completa com farofa de torresmo
Risoto de abóbora com mignon
Picadinho de mignon com arroz, banana, ovo e farofa
Arroz árabe de frango (Arroz branco refogado com lentilha, lascas de frango grelhado, cebola caramelizada e folhas de hortelã para finalizar)
Almondegas Bourguignon com purê de mandioquinha, batata doce, legumes no vapor e farofa
Peito de frango empanado com Panko pra ficar bem crocante, mandioquinha e batata doce cozidas e amassadas no garfo e temperadas com azeite, e tomate assado com uma crosta de pão, ervas e parmesão. Acompanha uma saladinha

(Fotos: Divulgação)

Veja também: Torta de biomassa de banana verde com cacau do Super Natural

E mais: Pudim de leite aromatizado com baunilha do Serafina

Torta mousse vegana de biomassa de banana verde com cacau e base de farofa de frutas secas

Quem me conhece e segue (@vinimferreira), sabe que estou longe de ser um exemplo de vida saudável, alimentação regrada e referência em comidinhas light. Porém, de uns tempos para cá, graças ao pessoal da redação – são três vegetarianas e uma musa fitness – venho conhecendo novos sabores, combinações, bem como health points. E um lugar que me chamou muito a atenção foi o Super Natural, na Rua Augusta, 2992.

O espaço é super agradável, tem opções To Go, como grãos e frutas secas à granel, e buffet de almoço por quilo. No menu, opções orgânicas, claro, e muitas sem carne, glúten, lactose, ovo…, uma boa pedida para os vegetarianos e veganos. Quando visitei, me apaixonei pela torta mousse vegana de biomassa de banana verde com cacau. Sem adição de açúcar, é bem gostosa. A base de farofa de frutas secas dá o azedinho perfeito. Esta da foto abaixo, encomendei para o aniversário da musa fitness da redação. Compensa bastante, porque vem quase 3kg e custa 1/3 de qualquer bolo que você vá comprar (R$ 120).

SERVIÇO

Super Natural
Endereço: Rua Augusta, 2992
Horários: LOJA – segunda a sexta, das 9h às 22h, sábado e domingo das 10h às 18h  ALMOÇO – segunda a sexta, das 11h30 às 15h30, sábado e domingo, das 12h às 15h3o
Telefone do delivery: (11) 3062-4945

Veja também: Onde comer e beber em Santiago, Chile

E mais: 4 lojas para comprar vinhos em Santiago

Pudim de leite aromatizado com baunilha do Serafina

Na lista dos meus pudins de leite favoritos da cidade, o do Serafina está entre os top 5. O restaurante como um topo é bem gostoso, o carpaccio de vitello (que vem com um molho de limão siciliano e azeite trufado sucesso) e a carbonara são bem gostosos. O pudim de leite aromatizado com baunilha faz parte de menu executivo, mas acredito que dê para pedir separado. A dica é prestar atenção ao cardápio da unidade que você vai visitar, porque varia de uma para outra.

SERVIÇO:

Serafina Jardins
Endereço: Alameda Lorena, 1705
Horário: de domingo a quarta, das 12h às 24h;  de quinta a sábado, das 12h às 1h
Delivery: iFood

Veja também: 4 lojas para comprar vinho em Santiago

Receita de salada Maranhão

Direto de São Luís, a receita de salada Maranhão é uma boa pedida para abrir o apetite do almoço de fim de semana. Com frutas, legumes e creme de leite, ela é muito refrescante. Claro que o fato de ter creme de leite deixa ela bem longe de ser uma opção leve.

Ingredientes:

– 2 maçãs verde picadas em cubos
– 2 mangas picadas em cubo
– 1 alho poró fatiado fino
– 1 cenoura ralada
– 1 xícara gramas de uvas passa
– 1/2 xícara de cebolinha picada
– 1 lata de creme de leite

Modo de preparo:

1. Misture tudo em uma tijela grande
2. Deixe gelar por, pelo menos, 4 horas antes de servir
3. Sirva gelada

Veja também: Receita de pão de torresmo

E mais: Receita de brigadeiro de milho verde

4 lojas para comprar vinhos em Santiago

Depois do roteiro gastronômico (veja mais neste link), ficou faltando falar de onde comprar vinhos em Santiago, no Chile. A cidade é o paraíso da bebida. Um dos maiores produtores da América Latina, boas opções não faltam por lá. Por aqui, reuni as lojas nas quais encontrei os melhores preços, o que não quer dizer que não há outras.

Mas antes, vale relembrar o que já disse aqui no blog: não compre vinhos no supermercado. Pelo menos durante os 10 dias que passei por lá, todas as opções que busquei estavam mais baratas em lojas da cidade e, principalmente, shopping, onde turistas tem descontos progressivos.

1 – CAV: Assim como a loja seguinte, a CAV (Clube de Amantes del Viño) que visitei fica dentro do shopping Costanera Center. E a minha dica é, antes mesmo de visitá-la, passe no concierge e peça seu ticket de descontos para turista (igual ao que existe nas lojas de departamento americanas). Com o cartão nas mãos, você consegue 15% de desconto nas lojas de vinho e outros tantos nos demais estabelecimentos do shopping. Voltando para a loja, a CAV tem uma enorme opção de uvas e safras. Quase todas as vinícolas da região estão com seus rótulos lá. Nela há também acessórios e boas opções de presente, como taças de cristal e aeradores diversos. (avenida Andrés Bello, 2425)

2 – EL MUNDO DEL VIÑOS: Esta foi a loja que mais fizemos compras (na unidade dentro do shopping Constanera Center que também dá 15% off para turistas). Além de possuir os melhores preços, também encontramos os vinhos mais premiums. Rótulos muito bons como o Almaviva, que já encontrei em São Paulo por R$ 1300, lá estava, com o desconto, R$ 680. Durante a visita, pagamos em uma garrafa de Tarapaca etiqueta negra (a segunda das quatro qualidades) 60% menos, comparando com São Paulo. Outra coisa que gostei é que eles tomam o maior cuidado na hora de embalar para viagem. Colocam em caixas com divisórias, cada vinho é embalado individualmente com papel jornal. A rede tem várias unidades, e neste link tem todos os endereços. (avenida Andrés Bello, 2425)

3 – VINOMIO: Localizada no bairro da Providência, bem próximo do Patio Bellavista, a Vinomio tem poucas, mas boas opções de vinho (e dá para comprar online e pedir para entregar no hotel). Como é uma loja de rua, bem pequena e tranquila, o que não falta ali é boa vontade dos vendedores (dois jovens) em te atender. Nas duas vezes que estivemos por lá, fomos muito bem recebidos, nos deram opções para degustar e, baseado no cardápio que tinhamos para comer no hotel, nos recomendaram bons rótulos. Mais uma vez, o que mais me encantou em Santiago é a sinceridade dos vendedores. Na primeira vez que visitamos a loja, fui em busca de um exemplar que custava cerca de R$ 100. O vendedor não me deixou levar, disse que era um vinho caro e não muito bom. Me recomendou um de R$ 60 que fez o maior sucesso. (rua Antonia López de Bello, 90)

4 – LA VINOTECA: Segundo o über-amigo que fizemos por lá, La Vinoteca é uma das lojas favoritas dos nativos. Além de possuir bons rótulos, ela sempre tem promoções muito atraentes. Vinícolas como Undurraga (local) estavam 20% mais barata que em outros estabelecimentos. A loja mais antiga fica no Centro da cidade (avenida Manuel Montt, 1452), mas a que visitamos está dentro do Centro Cultural Gabriela Mistral (avenida Libertador Bernardo O’Higgins, 227), que também deixo como uma ótima dica de passeio. A maior de todas as lojas está em Vitacura (avenida Nueva Costanera, 3955), onde além dos vinhos há também os acompanhamentos, como queijos e pães.

IMPORTANTE: Só para refrescar a memória dos que se empolgam demais, como turista você pode levar para o Brasil, sem impostos, até 16 garrafas de 750ml (ou 12 litros). Na bagagem de mão são até seis garrafas. Além das embalagens com plástico bolha, eu ainda reforço a segurança com sacolas plásticas para, caso estourem, não estraguem todo o restante da mala, e com as roupas. Enrolo cada garrafa em uma peça.

(Fotos: Divulgação e reprodução)

Veja também: Onde comer e beber em Santiago

Onde comer e beber em Santiago, Chile

Desembarquei em Santiago, Chile, com duas amigas para umas férias de 9 dias. Esta não foi minha primeira parada na capital, mas certamente a que destinei à boa comida e bebida. Fiz um mini, e bem mini mesmo, roteiro gastrônomico de Santiago só com o que realmente amei! Por aqui, você não vai encontrar os restaurantes mais badalados e estralados por dois motivos: alguns que escolhi estavam fechados, como o Osaka, e outros que tinha planejado dei de cara na porta por culpa da reserva. Aliás, esta é a primeira dica: RESERVE TUDO, os chilenos não são acostumados com fila de espera como nós!

PATIO BELLAVISTA

Foi o lugar que mais frequentamos durante a viagem. Como era próximo do hotel que ficamos, a comodidade de caminhar poucas quadras se tornou convidativa em dias que estávamos exaustos de tanto passear. Por lá, mais de 20 restaurantes de diferentes nacionalidades e preços. Funciona todos os dias até às 2h, e algumas casas aos fins de semana trazem shows. (tem todos os restaurantes e lojas neste link)

Nos arredores também há boas opções para comer e beber. O restaurante Galindo (rua Dardignac 98) é muito famoso por suas comidas típicas. Ele não é bonito ou agradável, já aviso, mas tem pratos para quem quer conhecer melhor a culinária chilena, como o famoso pastel de choclo (que esteticamente seria, a grosso modo, o nosso escondidinho, com a diferença de que por baixo há carne e frango em cubos, ovo cozido e azeitonas, e por cima um creme de milho).

BAIRRO LASTARRIA

O bairro onde estão ótimos restaurantes, pubs especializados em diferentes tipos de bebidas e bares. Me lembrou a nossa Vila Madalena, com a diferença de que por lá não há muito animo e badalação como aqui. Aliás, quem está pensando em aterrizar em Santiago em busca de animação, esqueça! Passamos 9 dias e o maior badalo que encontramos foi uma cantora chilena entonando “Estoy Aquí”, de Shakira, em um dos pubs.

CAFÉ DA MANHÃ

1 – THE HIP HOTEL: Um hotel-boutique dentro do complexo Patio Bellavista. O lugar é muito legal, vale conhecer de qualquer maneira. Logo na entrada há um bar, que à noite pode ser uma boa pedida para um drink. O café da manhã é servido na varanda (S33W70), que tem uma vista linda para a cordilheira. No menu, opções orgânicas bem preparadas e apresentadas. Comi uma das especialidades: Ovos mexidos de “galinhas felizes e criadas livres” com champignon, tomate e queijo de cabra. Para acompanhar, cortado (café com leite) servido com mel de agave ou açúcar de coco, esqueça o refinado! Horário para o café da manhã: das 8h às 12h.

Ovos mexidos de “galinhas felizes e criadas livres” com champignon, tomate e queijo de cabra
Sanduíche de pata negra com pimentões assados e queijo
2 – ERIC KAYSER: O famoso mago dos pães também desembarcou em Santiago, onde tem uma charmosa boulangerie no bairro Las Condes. Há opções prontas no balcão, ou na mesa, à la carte. Independente do que for comer, não deixe de provar os pães, são deliciosos e servidos quentinhos. Para o café, continuei com os ovos mexidos, aqui só com queijo, e uma baguete com manteiga (divina!). No Eric não há um horário limite, conseguimos comer em diferentes momentos do dia. É um bom lugar também para comprar lanches e refeições To Go. (rua Augusto Leguia norte 034)

ALMOÇO e JANTAR

1 – CONFITTERIA TORRES: É uma das mais conhecidas. Fui na unidade que fica na rua Isidora Goyenechea 2962, em Las Condes. O lugar é super charmoso, lembra os cafés coloniais. É preciso ir com tempo e uma leve dose de paciência. Os garçons são senhores extremamente simpáticos, que estão lá há séculos, mas, deixam um pouco a desejar na velocidade, no prestar atenção ao pedido e no atendimento. O que gostei foram os pratos: pasteizinhos de queijo e carne, sanduíche de salmão com cream cheese e rúcula, sopa de cebola e o strudel de maçã, que vem quente e acompanhado de sorvete de creme. De olho nas mesas alheias, vi pratos bem bonitos e opções generosas para compartilhar. (rua Isidora Goyenechea 2962)

Sopa de cebola com torrada com beijo
Sanduíche de salmão com cream cheese e baby rúcula
Ceviche
Strudel de maçã com sorvete de creme
2 – CHIPE LIBRE: Uma casa fantástica especializada em pisco do bairro Lastarria. O cardápio tem inúmeros rótulos e teores alcoólicos, o que lembra as nossas cachaçarias do interior. Drinks prontos fazem a alegria dos visitantes, mas o que me encantou foi o combinado de Pisco Kappa + Ginger Ale (um refrigerante de gengibre). O que não gostei: você não pode ir lá só beber, precisa comer. Segundo o garçom, os estabelecimentos possuem diferentes licenças, e a deles não permite o consumo só de bebidas (achei estranho). E por falar em comida, três pratos que você não pode deixar passar: a chapa de carne, frango, camarões e cogumelos (para compartilhar); O ceviche chileno (que difere do peruano na escolhas dos peixes e o tempero é feito tradicionalmente com limão e não com leche de tigre); e a lasanha de berinjela (me arrisco a dizer que é uma das melhores que já comi. Cada camada de berinjela é feita à milanesa). (rua José Victorino Lastarria, 282)

Lasanha de berinjela
Pisco Kapa com Ginger Ale
3 – CASA LASTARRIA: Do bairro homônimo, é um clássico, da arquitetura aos pratos. No menu, o tradicional pastel de choclo, que estava muito gostoso, e releituras contemporâneas, como o atum selado a la parrilla sobre cama de creme de ervilha, ervilha salteada, tomate cereja e panceta. O preço dos pratos são honestos, mas dos vinhos não tão convidativos quanto de outros lugares. (rua José Victorino Lastarria, 70)

É muito charmoso o rooftop do Casa Lastarria! O salão é mais clássico
Atum selado a la parrilla sobre cama de creme de ervilha, ervilha salteada, tomate cereja e panceta
Pastel de choclo
4 – QUITRAL FUEGO Y CAVA: Se o vizinho Casa Lastarria é clássico, aqui o contemporâneo é quem manda. Os pratos mais pedidos seguem tanto a estética quanto os ingredientes franceses. A arquitetura com pé-direito duplo e a decoração industrial de tijolos aparentes e pendentes de cobre me encantaram e me seguraram lá por duas garrafas de vinho (preço bom). Quem comeu recomenda as massas e os assados. (rua José Victorino Lastarria, 70, casa 4)

PARA BEBER

1 – BARRICA 94: Definitivamente o lugar que mais frequentei e gostei. Dentro do Patio Bellavista, o restaurante tem uma das maiores cartas de vinho em taças de Santiago. Fizemos diversas degustações, inclusive de uvas que nunca tinha ouvido falar, como País e Carigan, e tomamos garrafas a preços justos (praticamente mesmo preço das lojas e supermercados locais). Os garçons são extremamente educados, solicitos e atenciosos. Fazem questão de explicar e tirar todas as dúvidas. É possível jantar também por lá, os pratos são lindos – apesar de eu não ter comido nada além de tábua de queijos.

Meu favorito: uva País!
2 – BOCANÁRIZ: Assim como o Barrica 94, o Bocanáriz possui uma das maiores cartas de vinho em taças da cidade. É um dos restaurantes premiados da cidade, vale conhecer! Localizado no bairro de Lastarria, bem ao lado do restaurante Chipre Libre, ele tem uma proposta um pouco diferente do Barrica. É bem mais intimista, com poucas mesas e só trabalha com reservas. Para os que querem paz e silêncio, este é o lugar. Ao final da visita, perca alguns minutos para conhecer a adega no subterrâneo. (rua José Victorino Lastarria, 276)

Cada taça da degustação vem com informações do vinho
COMPRAS NO SUPERMERCADO

Sou viciado em supermercado e farmácia, e em Santiago há opções maravilhosas. O Jumbo é um dos mais legais, porém, é o mais caro. O Líder, do grupo Walmart, tem o melhor custo benefício. A padaria dos supermercados é de dar inveja, assim como os corredores de azeites e queijos. Estes, deliciosos. Comecei a viagem focada no queijo de cabra, um dos meus favoritos para tomar com vinho, mas terminei apaixonado pelo mantecoso. Há diversos tipos, como os defumados. Os pacotinhos com vários queijos para acompanhar o vinho é uma ideia se você vai fazer algumas das refeições na hospedagem e quer conhecer mais de um tipo.

Packs de queijos para comer com vinho
Outro item para comprar é destilado. As garrafas custam menos da metade do preço, comparado com São Paulo. Gin e vodca são as que mais compensam. Agora, se você está indo atrás do supermercado para comprar vinhos mas baratos, esqueça. Cheguei a encontrar opções com custos menores em lojas especializadas distribuídas pela cidade. Recomendo duas: a El Mundo del Viño (dentro do Centro Cultural Gabriela Mistral, no bairro Lastarria) e a Vinomio (Antonia López de Bello 090). Tem mais lugares para comprar vinho em Santiago neste link!

DICAS GERAIS: 

  • Vale muito a pena viajar para o Chile com milhas. Ao contrários dos absurdos que se cobram para um trecho como Rio-SP, para voar de São Paulo para Santiago são necessárias 20 mil milhas.
  • O câmbio é muito parecido aqui e lá. Troquei meu dinheiro no Brasil, mas vi em inúmeras casas de câmbio que o valor era o mesmo. A que mais utilizamos lá foi uma que fica bem perto do shopping Costaneira Center (passando pela passarela que liga o mall até o outro lado da rua, ela fica a poucos metros, do lado esquerdo da rua).
  • “Pô”. Não se assuste se ouvir um chileno falando “Hola, pô”, “Vinicius, pô”… Segundo um nativo, o “pô”, expressão que circunda todas as orações, seria como o nosso “né?”. A diferença é que por lá se usa muito no afirmativo e negativo, e não só no interrogativo.
  • Über – vale a pena pegar em Santiago, mas precisa ter cautela. A guerra entre eles e os taxistas ainda é muito forte, principalmente em regiões como shoppings e aeroportos. Portanto, cuidado ao pedir em alguns destes pontos. Minha dica é usar taxi apenas quando for preciso sair do shopping Costaneira Center. O trânsito na capital é muito pesado, e assim como no Brasil, os taxistas podem circular pelas faixas de ônibus sem problema.

Receita: Pão de torresmo

A receita de hoje é uma das favoritas do meu pai: Pão de torresmo. Sei que é muito gordo e não dá para fazer sempre. Mas quando ele merece (não come muito), não resisto e levo dona Regina (minha mãe) para a cozinha. Parece difícil, mas não é! Se tivesse que dar uma nota para a complexidade, ele ficaria nos 7. Vem ver o passo a passo:

img_3705

Ingredientes: 

– 1 tablete de fermento biológico fresco
– 1 colher de sopa de açúcar
– 3 colheres de sopa de azeite
– 1 colher de sopa de sal
– 250 ml de água
– 3 ½ xícaras de chá de farinha de trigo
– 4 xícaras de chá de torresmo bem fritinho e triturado

Modo de preparo:

  1. Misture todos os ingredientes (nesta etapa, use apenas 2 xícaras de torresmo frito);
  2. Após amassar bem e conseguir uma massa homogênea, tampe a vasilha com um pano e deixe descansar uns 40 minutos (massa boa é massa descansada);
  3. Abra a massa com ajuda de um rolo;
  4. Coloque uma xícara de torresmo frito, aperte bem com a mão e comece a modelar do jeito que quiser. Prefiro ele torcido, feito uma trança, e com um buraco no meio. Não posso afirmar com certeza, mas acho que este buraco no meio ajuda a assar todos os lados do pão, sem que o meio fique cru.
  5. Deixe mais uns 30 minutinho crescendo. (eu uso até hoje o teste do copo de água com a bolinha de massa. Já vi inúmeros chefs discordarem da técnica, mas por aqui sempre funcionou. É só esperar a bolinha subir no copo que a massa estará pronta).
  6. Para dar um pouquinho de cor no pão, a famosa “saúde extra”, passo gema por cima. Não é essencial, mas ele fica mais corado, mas apetitoso aos olhos.
  7. Leve ao forno pré-aquecido à 200°C por uns 45 minutos, ou até ficar bem dourado e completamente assado.

Que tal? Com um cafezinho no meio da tarde, não falta mais nada!

Veja também: Receita de bombocado de milho com castanha de caju

E mais: Brigadeiro de milho verde

Receita: Bombocado de milho e castanha de caju

Continuando minha paixão por milho verde, peguei esta receita de bombocado de milho e castanha de caju no Facebook da Gelatina Royal, e adorei. Não entendi o que ela estava fazendo lá, já que não vai gelatina. rs! Fiz, adorei e compartilho por aqui. Façam para a festa junina!

Bombocado de milho e castanha de caju

RECEITA DE BOMBOCADO DE MILHO E CASTANHA DE CAJU

Ingredientes:

– 4 ovos
– 1 lata de milho
– 1 xícara (chá) de leite
– 2 colheres (sopa) de margarina
– 2 xícaras (chá) de açúcar
– 1 xícara (chá) de coco ralado (100g)
– 2 colheres (sopa) de queijo ralado
– 4 colheres (sopa) de farinha de trigo
– 1 colher (sopa) de Pó Royal
– 1/2 xícara (chá) de castanha-de-caju picada

Modo de Preparo:

  1. Fiz em uma forma de cupcake, mas dá para usar uma uma assadeira grande tradicional. Distribua 24 formas de empada (7cm de diâmetro) e forre com forminhas de papel.
  2. Já ligue o forno em temperatura média, 200 graus +-;
  3. Bata no liquidificador os ovos, o milho, o leite e a margarina;
  4. Coloque em uma tigela e acrescente o açúcar, o coco, o queijo, a farinha, o Pó Royal e a castanha de caju;
  5. Distribua nas formas reservadas e leve ao forno médio preaquecido por 30 minutos, ou até começarem a dourar. Deixe esfriar.

receita-bombocado-milho-e-castanha-de-caju-cookterapia-7

receita-bombocado-milho-e-castanha-de-caju-cookterapia-2

Rendimento: 24 unidades

Veja também: Brigadeiro de milho verde

Receita: Brigadeiro de milho verde

É muito curioso, mas meu antigo blog – que já não existe mais – foi criado neste mesmo período. E a primeira receita dele foi justamente o brigadeiro de milho verde. O motivo? Minha festa favorita no universo, a junina! Aqui vai ela de novo. Aproveitem, é uma delícia.

Brigadeiro de milho verde

BRIGADEIRO DE MILHO VERDE

Ingredientes:

  • 1 lata de milho verde
  • 1 lata de leite condensado
  • 1 garrafinha de leite de coco
  • 1 colher de manteiga
  • 1 saquinho de coco ralado (prefiro o fino)

Modo de fazer:

  1. Escorra o milho verde e bata com a garrafinha de leite de coco no liquidificador.
  2. Passe na peneira para tirar as casquinhas do milho.
  3. Leve ao fogo baixo com a manteiga e o leite condensado. (para quem é muito fã de coco, pode colocar um porquinho também)
  4. Quando conquistar o ponto de brigadeiro (quando você passa a colher e vê o fundo da panela) desligue, deixe esfriar naturalmente. (Não gosto de colocar na geladeira, tenho a sensação de que fica com um gostinho estranho)
  5. Enrole com o coco ralado. (o ralado fino adere melhor que o grosso)